Entrevista Dr. Maurício Casa: Dicas Invisalign

513

Na entrevista desse mês, falamos com o Dr. Maurício Casa, diretor clínico da Invisalign no Brasil sobre as novidades que a nova geração do Invisalign (G6) traz para nós e dicas clínicas para que os Invisalign Doctors tirem mais aproveitamento do sistema.

Agradeço a atenção do Dr. Maurício Casa, que teve a gentileza de responder algumas perguntas para o blog.

O Dr. Maurício Casa é Diretor Clínico da Align Technology do Brasil, trabalha com o sistema desde 2002, acompanhando a evolução do produto ano a ano. De acordo com ele, o produto atualmente é superior em qualidade e precisão do que o oferecido anos atrás, se apresentando cada vez mais eficiente devido à quantidade de recursos que a empresa emprega na pesquisa e desenvolvimento em biomecânica.

Maurício Casa Invisalign

Maurício Casa, diretor clínico da Invisalign no Brasil.

Ortodontia Descomplicada:  O Invisalign está chegando na sua sexta geração. O que podemos esperar do Invisalign G6?

Maurício Casa:  O Invisalign G6 foi desenvolvido para deixar mais previsíveis os tratamentos de extração de 1º pré-molar com no máximo 2mm de perda de ancoragem. Desde muito tempo fazemos extração dos 1ºs pré-molares com sucesso. Anos atrás dividíamos a responsabilidade com o paciente sobre a necessidade de talvez colocar recursos auxiliares para finalizar o tratamento como planejado, com raízes paralelas e todos espaços fechados. Na minha experiência clínica para finalizar tive alguns tratamentos que coloquei bráquetes com arco segmentado, outros arco completo, mas também tive situações que somente os alinhadores foram suficientes um excelente resultado. A opção que eu apresentava na época para o paciente era 1 ano e meio de Invisalign e 6-8 meses de bráquetes, assim me sentia seguro para oferecer Invisalign para casos de extração.

Hoje em dia com os recursos Invisalign G6 os tratamentos com extração de pré-molar ficaram mais previsíveis, os alinhadores liberam forças para executar um contra-momento com intuito de gerar ancoragem na região de 2º pré-molar e molares. Também existem ativações nos alinhadores para forçar a intrusão e torque lingual dos incisivos enquanto estes retraem como se fosse a aplicação do efeito “Gable” que aplicamos ortodontia convencional. Outro recurso novo lançado no Invisalign G6 foi o SmartStage, agora o software planeja a retração de canino e incisivos de maneira personalizada e com liberação de forças em momentos diferentes nestes proporcionando assim maior controle de ancoragem.

OD: Quais são as novidades na nova versão do ClinCheck, e como ele dá mais autonomia para o Invisalign Doctor?

MC: O programa ClinCheck vem evoluindo de forma constante, este segue os princípios de fácil manuseio e cada vez apresenta mais informações disponíveis para os doutores que estão planejando um tratamento ortodôntico. Mas como todo software é necessário certo estudo e constância de uso para aproveitar todos os recursos disponíveis. Disponibilizamos estas informações de forma detalhada para os Invisalign Doctors em nosso website.

Através do clincheck, todos os movimentos dentários são calculados previamente ao tratamento ortodôntico
Através do clincheck, todos os movimentos dentários são calculados previamente ao tratamento ortodôntico

OD: O ClinCheck é uma peça chave no tratamento com Invisalign, e vêm passando por várias mudanças desde sua versão inicial. A última versão possibilita aos Ortodontistas fazerem alterações por conta própria no tratamento do paciente. Porém a comunicação com os técnicos da Invisalign ainda é fundamental. Que dicas você pode dar para os Invisalign Doctors sobre essa comunicação?

MC: Comunicação correta é desafio em vários setores da indústria e comércio. Em nosso caso não é diferente, para a correta elaboração de um tratamento ortodôntico a comunicação é essencial. Portanto, sempre orientamos aos doutores quando descrevem o que desejam aplicar em um ClinCheck, utilizar termos técnicos e se possível quantificar o que desejam. Por exemplo: intruir dente 21 0,5mm / fazer torque lingual de raiz no dente 21 usando como referência dente 11.

Um recurso que facilitou muito a comunicação com os técnicos foi a opção de quando escrevemos uma mudança no ClinCheck podemos capturar a cena que estamos visualizando no momento e o técnico terá maior facilidade de entender sua solicitação se baseando nesta imagem.

OD: Attachments são uma ferramenta essencial para o bom desenvolvimento de um caso Invisalign. Quais resinas são recomendadas para fazer os attachments?

MC: Recentemente os recursos que mais evoluíram no sistema Invisalign foram os attachments otimizados, que são selecionados e aplicados em cada dente por um software que faz a leitura de sua necessidade (SmartForce). Estes são ativados quando os alinhadores são posicionados deixando os movimentos dentários mais previsíveis com os alinhadores. Se o software “pensa” por nós então nos resta pelo menos aplicar uma resina que não perca a forma do attachment durante o tratamento, por isto recomendamos usar resinas que foram desenvolvidas para restauração de dentes posteriores que têm carga e mais estabilidade dimensional.

OD: O IPR (Desgaste Interproximal) é muito utilizado durante os tratamentos Invisalign. Em casos com apinhamento severo quais são os meios que podem ser utilizados para se conseguir o desgaste feito de maneira correta?

MC: Com Invisalign, mesmo antes de iniciar o tratamento sabemos a quantidade, localização e momento de se fazer o IPR. A empresa não recomenda nenhuma técnica específica de IPR, a orientação é utilizar a técnica que o doutor está mais habituado e se sente mais seguro, tanto utilizando tiras de lixas, brocas ou discos. O mais importante na questão do IPR é sempre mensurar o desgaste feito, algo que não é usualmente na aplicado ortodontia convencional.

OD: A Invisalign mudou sua política quanto aos refinamentos de casos, dando aos ortodontistas e seus pacientes um prazo de 5 anos para refinamentos. Qual é o momento ideal que o ortodontista deve avaliar a necessidade de um refinamento?

MC: Ao invés de Refinamento, o termo atualmente utilizado é Alinhadores Adicionais, os tratamentos Invisalign Full e Teen têm agora 5 anos de validade e neste período pode ser solicitado quantos pedidos de Alinhadores Adicionais forem necessários. Estes podem ser solicitados durante o tratamento quando se evidencia alguma desadaptação dos alinhadores, ao final do tratamento para finalizar algum movimento que não foi atingido ou na fase de contenção quando se constata alguma recidiva.

OD: Como é a estabilidade de casos Invisalign?

MC: Ainda não existem estudos científicos com este tema para eu apresentar uma resposta com segurança. Mas a questão é que o dente não sabe com qual recurso ele foi movimentado, qual tipo de bráquete, fio, ou mola, quero dizer com isto que, independente da técnica que utilizamos para movimentar dentes, o importante para atingir estabilidade do tratamento é buscar em todos os casos os objetivos de intercuspidação, paralalelismo de raízes etc corretos.

Para saber mais sobre a Align Technology e Invisalign, acesse www.invisalign.com.br.

 

Alexandre da Veiga Jardim
Cirurgião-dentista, especialista em ortodontia pela ABO-GO e mestrando em ciências da saúde pela UFG.

Comentários

comentários

Deixe uma resposta