Elásticos ortodônticos: Um guia descomplicado

33167

Elásticos ortodônticos: uma ferramenta indispensável.

Elásticos ortodônticos são parte fundamental de praticamente qualquer tratamento ortodôntico. Seja em mecânicas intermediárias de correção sagital ou vertical, no descruzamento de dentes individuais ou em grupo ou durante a fase de intercuspidação na finalização ortodôntica, elásticos ortodônticos têm um importante papel auxiliar.

Porém, uma ferramenta, por melhor que seja, só consegue ser tão eficiente quanto a habilidade e conhecimento daquele que a manuseia. O conhecimento do uso de elásticos ortodônticos e suas mecânicas é importante para qualquer clínico, e o primeiro passo para um tratamento eficaz, é entender os meios pelos quais esse tratamento se torna possível.

Esse guia cobre alguns dos aspectos mais simples dos elásticos mas que algumas vezes podem originar dúvidas para o ortodontista.

Uso de elásticos ortodônticos

Elásticos ortodônticos podem ser classificados em elásticos intra-orais e extra-orais.

Elásticos intra-orais podem ser utilizados de maneira intermaxilar (na maxila e mandíbula) ou intramaxilar (apenas na maxila ou apenas na mandíbula).

Elásticos extra-orais são aqueles que atuam em conjunto com dispositivos ortodônticos externos, podendo ter efeito dentário ou esquelético.

Força de trabalho dos elásticos ortodônticos

Elásticos extra-orais são comumente usados com dispositivos como Aparelhos Extra-Bucais (AEB), aparelhos de protração maxilar (Máscaras de Petit e de Delaire). Principalmente no caso do AEB, onde pode-se objetivar um efeito ortopédico ou ortodôntico, é importante o uso de um tensiômetro para medir a força utilizada. De acordo com Proffit, forças acima de 300g-400g com durações de 8 a 10 horas por dia podem produzir efeito esquelético 1.

De acordo com o mesmo autor, forças de 100-150g são suficientes para a translação (movimento completo) de um dente. Esse valor deve ser ajustado para o tamanho da raiz, sendo um pouco menor para incisivos e maior para molares por exemplo.

Efeitos colaterais de elásticos ortodônticos

Toda mecânica tem seu custo e seus efeitos colaterais. Elásticos ortodônticos geram forças intermitentes e são um dos fatores de risco para reabsorção radicular, o que deve ser levado em conta durante a execução da mecânica. Sempre ra
diografe e acompanhe!

Quando usamos elásticos inter-maxilares, devemos ficar atentos aos vetores de força indesejáveis que as mecânicas podem criar, principalmente vetores extrusivos. O uso de elásticos de Classe II de maneira unilateral por períodos prolongados, está associado à inclinação do plano oclusal frontal. Se possível, ganchos devem ser utilizados para apoiar o elástico e obter um vetor mais horizontal, dessa maneira, mitigando o efeito colateral.

 

elasticos ortodonticos classe II
Diferença nos vetores de extrusão em elásticos posicionados no gancho ou no bracket.

Tamanhos dos elásticos

Sua classificação se dá em onças para a força (1 oz. equivalente a 28,34 gr) e polegadas para comprimento (1 pol. = 2,54cm). Elásticos nacionais podem vir no sistema métrico decimal.

Seu tamanho ainda é classificado através de frações para representar seu diâmetro interno, o que deixa as coisas mais confusas. A dica para saber qual elástico é maior ou menor, é colocar tudo no mesmo denominador, de preferência 16.

Ex.: um elástico 1/8 seria multiplicado por dois, o que equivale a 2/16. Um elástico 1/4 seria multiplicado por 4, resultando em 4/16, sendo dessa maneira maior que o elástico de 1/8.

Forças dos elásticos ortodônticos

Elásticos podem são geralmente classificados em Fraco, Médio ou Forte.

Cada elástico tem sua força ideal de trabalho e essa força é descrita pelo fabricante na embalagem. Mas para se obter a força que o fabricante determina, esse elástico deve estar distendido em 3x o seu diâmetro em repouso. Então, para um elástico 5/16″ temos:

  • 5″ x 2,54cm = 12,7 cm
  • 12,7 cm / 16 = 0,79 cm de diâmetro
  • 0,79cm distendido em 3x = 2,37 cm necessários de distensão para se exercer a força preconizada pelo fabricante.

Vale lembrar que esses valores são inexatos devido a variação do material de fabricante para fabricante, variações de temperatura, etc…

A força dos elásticos decai rapidamente na saliva, perdendo em um dia aproximadamente 30% de sua força. É interessante que eles sejam trocados diariamente.

No catálogo Morelli, as forças de elásticos intra-orais são 70g (leve), 130g (médio) e 180g (pesado).

Alergia aos elásticos ortodônticos

Alguns pacientes podem exibir alergias ao látex. É importante ficar atendo a lesões na cavidade oral que possam surgir após o início do uso do elástico ortodôntico. Apesar de ser de prevalência pequena, a alergia ao látex pode se tornar um problema grave devido as reações dermatológicas, respiratórias e sistêmicas que pode causar.

Se o paciente apresenta alergia ao elástico ortodôntico convencional, elásticos de silicone podem ser uma boa alternativa. Por apresentarem uma perda de força maior que os elásticos ortodônticos de látex, esses elásticos devem ser trocados em intervalos mais curtos. De acordo com Janson 2 essa troca deve ser realizada de 2 a 3 vezes ao dia.

Cooperação do paciente

Essencial em qualquer tratamento ortodôntico, a cooperação do paciente se torna ainda mais importante quando utilizamos elásticos ortodônticos. É importante que o paciente entenda claramente o objetivo do uso dos elásticos (se necessário mostre no espelho como está a oclusão atual, por exemplo em Classe II, e como o elástico vai funcionar, “puxando” esses dentes para a Classe I).

O paciente não deve ter dúvidas em como usar o elástico, já que seu uso inadequado pode ser um atraso para o tratamento. É interessante que você coloque o elástico na primeira vez e mostre com um espelho como ele é colocado, em quais dentes e em quais acessórios. Desenhe no diagrama que geralmente está na embalagem dos elásticos o modo correto de usar.

Uma dica boa é pedir para o paciente fotografar com seu celular a maneira correta de se utilizar o elástico, pois muitos se esquecem já na primeira troca e infelizmente, nem todos voltam ao consultório para novas instruções caso isso aconteça. Outra dica para os pacientes mais desatentos é colocar uma ligadura de cor diferente nos dentes em que o elástico ortodôntico deve ser colocado.

Oriente o paciente quanto a dor, que aparece normalmente nos primeiros 2 dias. Se necessário, peça para que ele use analgésicos, mas insista que a dor passa com o uso regular e o elástico é importante para o sucesso do tratamento.

Esclareça também que a mobilidade é normal e esperada. Alguns pacientes se assustam ao sentir dentes moles. Se quiser, recomende esse post para que ele leia. A mobilidade é também um sinal que nós podemos observar para saber se o uso dos elásticos está bom.

Eu gosto de falar para meus pacientes que o elástico é a chance que estou dando para ele escolher como vai ser a velocidade do tratamento dele. Cada vez que ele usa o elástico, é como se ele estivesse vindo no meu consultório para ativar seu aparelho e sem o uso, obviamente o tratamento vai demorar muito.

Em alguns casos de pacientes não cooperativos podemos lançar mão de dispositivos como mini-implantes, que podem realizar a mecânica sem a necessidade de elásticos. Mas é sempre mais interessante que o paciente entenda a importância do tratamento e como ele também é responsável pelo resultado final juntamente com o ortodontista.

Guia descomplicado de elásticos ortodônticos

Abaixo segue um guia de elásticos para referência rápida. Assinantes do nosso Newsletter recebem esse conteúdo diretamente no seu e-mail no formato pdf. Quer receber também e ficar por dentro das nossas postagens semanais?



Guia elásticos ortodonticos

Clique aqui para acessar o pdf.

Alexandre da Veiga Jardim
Cirurgião-dentista, especialista em ortodontia pela ABO-GO e mestrando em ciências da saúde pela UFG.
  1. Proffit W. Ortodontia Contemporânea, 1ª ed. São Paulo: Pancast. 1991.
  2. Janson M. Ortodontia Objetiva. 1ª ed. Maringá: Ed. Dental Press. 2015

Comentários

comentários

4 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite, doutor!

    É possível ocorrer a retração do queixo com o uso de elásticos?

    Pergunto isso pois na reta final do meu tratamento (usei aparelho durante 3 anos), comecei a usar elásticos, onde exerceram ação (puxando) nos meus dentes inferiores. Com isso, minha mordida inferior “subiu”, chegando mais proximo do “céu da boca” e por consequência meu queixo ficou com aparência de classe ll. Estou muito chateado (p não falar indignado), pois foi um erro da profissional. Sinto que até meu maxilar “afinou” , (decorrente das ações feitas na parte inferior), pois meu rosto era mais quadrado. Falei com minha dentista na época e ela falou que era impressão minha. Brincadeira, não é? Quando envolve mudança no nosso corpo, logo, percebemos. E a cada dia percebo e convivo c esse provável erro que mudou minha face.

    Desde já, agradeço pela atenção dispensada. E peço desculpas por me estender na explicação.

    • Olá Johnatan

      Os estudos mostram que elásticos afetam somente a posição dos dentes e não têm efeitos sobre o esqueleto (como o queixo). Eu infelizmente não tenho condições para opinar sobre seu caso, mesmo com os detalhes que você me sugeriu. Você chegou a comparar fotos iniciais com as atuais?

Deixe uma resposta