O chiclete é um vilão ou um ajudante na ortodontia?

404

Marginalizado pelos ortodontistas, culpado por quebras de aparelhos, mascado em segredo pelos pacientes. O chiclete está na lista negra da maioria dos consultórios de odontologia (não somente dos ortodontistas).

Uma das recomendações clássicas ao instalar um aparelho ortodôntico é sempre: “não pode comer chiclete, nem alimentos duros”.

Mas o que dizem os artigos?

(Esse artigo é voltado para especialistas, caso seja paciente, leia esse artigo)

A importância da dor

A dor é um fator a se considerar no tratamento ortodôntico. É frequentemente citada como um dos motivos que fazem com que pacientes evitem iniciar um tratamento. Inicia-se de 3 a 4 horas após a ativação do aparelho e em alguns casos pode causar limitações ao paciente durante alguns dias,  principalmente na alimentação devido a sensibilidade táctil dos dentes. Além é claro, da tradicional pontinha espetando a bochecha que já fez a orelha de muito ortodontista queimar.

Chiclete e a dor na ortodontia

aparelho ortodontico

Em um ensaio clínico randomizado de 20121, já havia sido demonstrado que o uso de chiclete poderia ajudar a reduzir a dor da ativação do aparelho ortodôntico sem resultar em maior número de quebras de peças.

Eles avaliaram um grupo de 29 pacientes que usou chiclete sem açúcar comparado a um grupo de 29 pacientes que não usou o chiclete. Eles observaram que os primeiros pacientes tiveram dor reduzida (reduzir a dor não quer dizer evitá-la), o que resultou no uso de menos analgésicos.

O uso de chiclete no tratamento ortodôntico não resultou em mais quebras de aparelhos.

Então entre nenhuma intervenção e o uso de chiclete, o chiclete está ganhando.

Chiclete ou analgésico?

Um outro estudo comparou o uso de ibuprofeno ao uso de chiclete e o efeito na dor na ortodontia2. Foi um estudo bem feito e com uma grande quantidade de pacientes (por coincidência, enquanto eu preparava esse texto, o professor Kevin O´Brien publicou uma ótima análise desse artigo no seu blog, que compensa ler).

Foram avaliados 1000 pacientes divididos em grupos que usaram ibuprofeno ou chiclete para alívio da dor causada pelo aparelho ortodôntico.

Se os pacientes do primeiro grupo sentissem dor, deveriam usar ibuprofeno.

Se os pacientes do segundo grupo sentissem dor, deveriam mascar chiclete. Se isso não resolvesse, poderiam usar ibuprofeno.

Primeiro os autores avaliaram a dor na instalação do aparelho e depois na primeira troca de arcos.

Os resultados foram que os pacientes que usaram analgésicos e pacientes que usaram o chiclete, tiveram níveis de dor semelhantes. Porém, houve aproximadamente 10% menos uso de ibuprofeno no grupo que mascou chiclete na colagem e 20% menos na primeira troca de arcos.

Apesar de que ambos os grupos tiveram um uso  grande de ibuprofeno (91% no grupo do analgésico e 82% no grupo de chiclete), o uso de goma de mascar nesse estudo não resultou em mais quebras de aparelho.

chiclete aparelho ortodõntico

Talvez o chiclete não seja um vilão

Será que tem mais?

Um estudo avaliou se o uso de chicletes sem açúcar com xilitol ou maltitol poderia ajudar a controlar placa e gengivite3.  Pacientes que escovavam os dentes normalmente não tiveram nenhum efeito benéfico por causa do chiclete. Mas pacientes que apresentavam sangramento gengival e placa moderados associados a uma escovação deficiente tiveram uma redução significativa na quantidade de sangramento com o uso do chiclete.

E as cáries? Uma revisão sistemática de 20074 concluiu que existe alguma evidência que possa apontar para um efeito anti-cariogênico no uso de chicletes sem açúcar imediatamente após as refeições. Imagina-se que seja devido ao estímulo de mastigação que gera maior salivação e altera o pH da boca.

Alguma contra-indicação?

Sim, pacientes com propensão a cefaleia tensional e dtm podem ter pioras ou precipitar dores quando fazem uso constante de goma de mascar5[sup],[/sup]6. Talvez essa seja uma contra-indicação.

E então…?

Será então que chicletes sem açúcar a base de xilitol ou maltitol poderiam na verdade ser auxiliares para o ortodontista?

Há boa evidência de que:

  • Não ocasionam realmente maior quantidade de quebras.
  • Podem reduzir ligeiramente o uso de analgésicos.

E há algum evidência de que:

  • Podem ajudar a reduzir de alguma maneira a gengivite em pacientes com pouca higiene.
  • Talvez possam inibir o surgimento de cáries.
  • Podem por outro lado, estar relacionados a um aumento de

E você? O que acha? Vale a pena?

 

 

Alexandre da Veiga Jardim
Cirurgião-dentista, especialista em ortodontia pela ABO-GO e mestrando em ciências da saúde pela UFG.
  1. Benson P. E., Razi R. M., Al-Bloushi R. J. The effect of chewing gum on the impact, pain and breakages associated with fixed orthodontic appliances: a randomized clinical trial
    Orthod Craniofac Res 2012;15:178–187
  2. Ireland et al. Comparative assessment of chewing gum and ibuprofen in the management of orthodontic pain with fixed appliances: A pragmatic multicenter randomized controlled trial. AJODO. 2016;150:220-7
  3. Keukenmeester et al. Effects of sugar-free chewing gum sweetened with xilitol or maltitol on the development of gingivitis and plaque: a randomized clinical trial. Int J of Dental Hygiene 2014.12:238-244.
  4. Mickenautsch S et al. Sugar-free chewing gum and dental caries: a systematic review. Journal of Applied Oral Science, 2007. 15(2):83-88
  5. Tabrizi R et al. Does gum chewing increase the prevalence of temporomandibular disorders in individuals with gum chewing habits? J Craniofac Surg. 2014 Sep;25(5):1818-21
  6. Lippi G et al. GumChewing and Headache: An Underestimated Trigger of Headache Pain in Migraineurs? CNS Neurol Disord Drug Targets. 2015;14(6):786-90.

Comentários

comentários

Compartilhar

Deixe uma resposta